David Lamelas


BELO HORIZONTE

SÃO PAULO

Buenos Aires, Argentina, 1946; vive em Buenos Aires, Los Angeles, EUA, e Paris, França

David Lamelas é um daqueles casos em que vida e obra se tornaram inseparáveis. Alcançou visibilidade internacional em 1967, com a participação, aos 21 anos, na 9a Bienal de São Paulo e, no ano seguinte, na 36a Bienal de Veneza. Nessa altura, mudou-se para a Europa e daí em diante nunca mais parou – Londres, Paris, Los Angeles, Nova York. Por mais de quatro décadas, seu trabalho dialogou diretamente com a sua vida de artista cosmopolita. Por exemplo, a série de filmes experimentais Time as Activity [Tempo como atividade,1969-2007], iniciada em Düsseldorf, na Alemanha, é uma meditação sobre a passagem do tempo nas metrópoles por onde transitou ou viveu. O contexto artístico de cada lugar é essencial para a sua produção. E, ainda assim, sua obra ultrapassa as fronteiras de um âmbito geográfico específico, usando essa própria condição nômade para um entendimento da arte como algo transitório e fugidio.

Situación de Quatro Placas de Aluminio [Situação de quatro placas de alumínio] remonta ao início de sua produção, quando Lamelas, ainda jovem, participava da vanguarda argentina. Naquele momento, sua prática estava voltada ao exame do estatuto do objeto artístico. Situación são situações no espaço, provisórias e definidas pela arquitetura. Neste caso, uma escultura composta de quatro placas genéricas de alumínio ocupam os lugares eletivos onde a arte normalmente se encontra, o chão e a parede, formando o cruzamento de uma linha vertical e outra horizontal. Sem se valer de nenhum recurso de fixação, apenas apoiando-se em si mesmas e na arquitetura, acabam por criar uma pequena deformação, que chama a atenção para esse efêmero arranjo de coisas. Obras como essa levaram o artista a um processo de desmaterialização da escultura. Logo em seguida, Lamelas começaria suas instalações de luz, convertendo imaterialidade em objeto no espaço, dos quais Límite de una Proyección I [Limite de uma projeção I, 1967] faz parte.

Inês Grosso