Marcel Broodthaers

INSTITUTO INHOTIM

BELO HORIZONTE

SÃO PAULO

Bruxelas, Bélgica, 1924 – Colônia, Alemanha, 1976

Até os seus 40 anos, Marcel Broodthaers foi poeta e escritor. Em 1963, decidiu ser também artista visual. Engessou 44 exemplares de seu livro Pense-Bête (1963) e, com esse gesto inaugural, começou a criar objetos. Na apresentação de sua primeira exposição, na Galerie Saint Laurent em Bruxelas, em 1964, já estava presente a crítica institucional, um certo humor e a manipulação das palavras. “Eu também imagino se não poderia vender algo e ter sucesso na vida”, escreveu no texto de apresentação. Em uma breve carreira como artista, sempre tendo a escrita entre suas fontes principais, fez esculturas, instalações, filmes e fotografias. Conhecido pelo uso de materiais cotidianos, como conchas de mexilhões e cascas de ovos, e pela criação do Musée d’Art Moderne, Département des Aigles, museu ficcional que não tinha localização ou acervo próprios, Broodthaers procurou ampliar as possibilidades da arte, da linguagem e do sentido com seus textos e objetos.

As Lettres Ouvertes (cartas abertas) foram escritas a partir de junho de 1968. Reproduzidas em grandes tiragens com um mimeógrafo, eram enviadas pelo correio a amigos artistas e outros profissionais da cena artística. A primeira carta foi escrita após a ocupação do Palais des Beaux-Arts, em Bruxelas, quando artistas, intelectuais e estudantes se manifestaram contra a mercantilização da cultura e da arte, num movimento inserido no contexto dos protestos anti-establishment que aconteciam em diferentes países. Essa assim como outras eram cartas pessoais, na primeira pessoa, mas ele também escrevia como representante do Musée d’Art Moderne, Département des Aigles, usando o papel timbrado da instituição. Contudo, seu conteúdo em nada lembra a correspondência de uma instituição oficial. Tanto nas cartas do artista como nas do museu, Broodthaers faz referência a fatos concretos e pessoas conhecidas, rebate suas próprias opiniões, desestabiliza certezas e cria, intencionalmente, contradições que questionam posições estabelecidas.

Cecília Rocha