Rivane Neuenschwander

INSTITUTO INHOTIM

BELO HORIZONTE

SÃO PAULO

Belo Horizonte, 1967; vive em Londres, Inglaterra

Quando passa um minuto, o relógio vira o zero; na hora seguinte, novo zero. Um dia como outro qualquer consiste num conjunto de relógios, instalados em locais expositivos ou não, que registram apenas zero hora e zero minuto. Do repertório de temas com os quais Rivane Neuenschwander trabalha, destaca-se o uso de ambientes, situações e objetos do cotidiano, manifestações da cultura popular, linguagem verbal e não verbal, coleções de efemérides, estados de espírito, memórias afetivas. De um vocabulário artístico extenso e variado, o apagamento é uma operação recorrente. No entanto, apagar para a artista não tem a ver com negação ou fechamento, mas com a criação de espaços, silêncios, possibilidades de recomeço. As obras contempladas nesta exposição convocam o usuário a incorporar suas narrativas ou a observar-se de um novo ponto de vista.

A série A uma certa distância (Pinturas de ex-votos) (2010) parte da tradição religiosa de agradecer por uma graça alcançada por meio de pinturas. Na reconstituição feita por Neuenschwander, os elementos figurativos são extraídos, restando elementos arquitetônicos que relevam jogos de cor e perspectivas. Gesto semelhante se dá em Zé Carioca no 2, A volta dos três cavaleiros (1944) (Ed. Histórica, Ed. Abril) (2004), obra apresentada na versão de Belo Horizonte da exposição. Nela a história em quadrinhos tem seu conteúdo imagético e discursivo suprimido, restando do original a diagramação de fundos coloridos e balões de diálogo. Ao espectador são oferecidos pedaços de giz para que ele possa criar a história que preferir. O personagem de Walt Disney (1901–1966) Zé Carioca foi criado nos anos 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos tentavam angariar aliados na América Latina. Encarnando um estereótipo do malandro brasileiro, o personagem é festeiro, preguiçoso e sempre escapa dos problemas por meio de artimanhas. Nas obras de Neuenschwander, estão suspensas as imposições e o determinismo de ordem política, social e cultural.

Julia Rebouças