Tsuruko Yamazaki

INSTITUTO INHOTIM

BELO HORIZONTE

SÃO PAULO

Ashiya, Japão, 1925; vive em Ashiya

O grupo Gutai emergiu em 1954, na cidade de Ashiya, perto de Osaka, no Japão, no contexto efervescente de reconstrução do país. Fundado pelo pintor e teórico Jirō Yoshihara (1905–1972), pioneiro da arte abstrata no Japão, o Gutai está entre as mais importantes expressões artísticas da vanguarda do pós-guerra. Precursores dos happenings, seus membros conciliavam profundo engajamento ideológico e político com o desejo de produzir arte num contexto global, transcendendo fronteiras entre pintura e performance, objeto e processo, arte e vida. Em quase duas décadas de atividade, mais de 50 artistas fizeram parte do coletivo, cujas obras incluíam intervenções de caráter experimental no espaço urbano e em parques públicos.

Red [Vermelho] é uma recriação da obra que Yamazaki concebeu para a 1a Exposição Gutai de Arte ao Ar Livre, em 1956, em Ashiya. Um cubo de vinil vermelho, suspenso a poucos centímetros do chão, instaura a cor no ambiente, como uma grande pintura monocromática ativada pelo jogo de luz e sombra e pela presença do espectador. Nosso corpo é convidado a explorar o trabalho: precisa curvar-se para entrar na estrutura e, uma vez no seu interior, contamina-se pela cor e torna-se parte de uma coreografia de silhuetas, que se revela para o espec- tador do lado de fora. Embora pouco conhecida no Brasil, Red revela afinidades conceituais e formais com a obra do grupo neoconcreto brasileiro, sobretudo com a série de Penetráveis, de Hélio Oiticica, na passagem que ambas as obras promovem da geometria em direção ao espaço. Autora de uma obra extensa, aos 89 anos, Yamazaki continua a dedicar-se à pintura sobre metal industrial, tirando partido das suas qualidades reflexivas para explorar efeitos visuais, prosseguindo sua pesquisa em torno da matéria, da cor e da luz, que marcam sua produção desde os anos Gutai.

Inês Grosso