Channa Horwitz

Los Angeles, EUA, 1932 – Santa Mônica, EUA, 2013

Autora de uma obra extensa, Channa Horwitz exerceu sua atividade em relativo isolamento na Costa Oeste dos Estados Unidos, e serão necessários ainda alguns anos para uma releitura profunda de suas investigações no contexto da arte produzida nos anos de 1960 e 1970 – suas relações são complexas e incluem a poesia visual, a arte minimal e conceitual e, sobretudo, Sol Lewitt (1928–2007). Durante mais de quatro décadas, Horwitz produziu desenhos, pinturas e instalações usando um rigoroso vocabulário formal construído com base em um sistema matemático de notações que repetem e combinam sequências de números, cores, linhas e ângulos. Esse sistema, que a artista denominou Sonakinatography, foi desenvolvido como forma de marcar e expressar tempo, movimento e ritmo. As Sonas, como a artista se referia a essas obras, são intricadas composições de padrões geométricos sobre papel milimetrado e servem de roteiro ou partituras para performances interpretadas por músicos, dançarinos e atores.

Variation and Inversion on a Rhythm [Variação e inversão sobre um ritmo] pertence a uma série homônima que Horwitz desenvolveu posteriormente e representa um desdobramento de suas pesquisas em torno da tradução bidimensional do movimento, resultando numa manifestação estática e virtual. A obra é composta de 64 desenhos, do mesmo formato e com a mesma técnica, que compõem um painel de dimensões consideráveis. Em cada desenho, Horwitz repete os mesmos elementos, introduzindo sutis variações para ilustrar a sequência de um movimento. Da mesma época das Sonakinatography, a série de esculturas cinéticas intituladas Breather [Respirador, 1968/2005] mostra uma bolha de vinil transparente que, pela ação de uma ventoinha colocada no interior da estrutura, vai inflando e desinflando, como um movimento corporal. Mostradas pela primeira vez numa convenção mundial de anestesiologia, a convite de um amigo médico, essas esculturas submergem-nos poeticamente no ritmo cadenciado da respiração.

Inês Grosso